Uma experiência em uma das maiores biodiversidades do planeta, o PANTANAL

O Destinos B+ desta vez levará você para uma experiência única e exclusiva para uma das regiões mais importantes do planeta

FLAVIA VIANA

01/04/2022 15:30

O Bioma PANTANAL a convite do Refúgio Ecológico Caiman. 

Esse foi o nome que o proprietário Roberto Klabin encontrou para melhor reunir as suas iniciativas em prol da conservação e do progresso da região.  

E nós vamos contar como foi...

Projeto Arara Azul - Foto Silas Ismael / Diagramação: Denis Felipe

A chegada. De cara momentos marcantes...

No momento em que você pega a estrada sabendo que a sua parada é o Pantanal, de fato começa a sentir uma certa ansiedade, confesso! No caminho, a gente vai contando as horas para chegar ao destino final. Na estrada paradas, fotos, vídeos, mais fotos e mais vídeos, é inevitável, a natureza se exibe pra você a todo instante.

Quando entramos no Refúgio, mais encantos, parece que a fauna e flora sabiam da nossa chegada. 

O sol também nos recepciona, na verdade tem um para cada convidado (risos). Para quem é da região, o calor não é nenhuma novidade!

A recepção além de calorosa, é também carinhosa e cheia de atenção, e vale observar as toalhas geladas que recebemos para passar no corpo logo na entrada, e o “pouso” em um dos ambientes da Caiman para um pequeno descanso (no ar condicionado, claro!) para algumas orientações, roteiros e planejamentos.

Logo após, a apresentação dos guias que nos acompanharão durante a semana por lá. Todos sempre prestativos e pontuais. Todos são biólogos e conhecem a região como a palma da mão, é impressionante.

spinner-noticia

A jornalista Flavia Viana realizou uma vivência no Pantanal do MS com exclusividade para o Destinos B+ - Foto Silas Ismael

Outra coisa que chama a atenção no lugar, é a organização entre todos os departamentos e o cumprimento dos horários sem atrasos ou cancelamentos, que podem sim ocorrer, mas somente se acontecer mudanças climáticas.

Próximos a nós o tempo todo, espécies de pássaros, capivaras e um quase “morador” bem próximo a sede, uma espécie de lagarto gigante, o teiú. Todos anfitriões...

Antes de sairmos para o primeiro avistamento das onças pintadas durante nossa passagem por lá, duas “paradas”...

spinner-noticia

A jornalista Flávia Viana acompanha o Projeto Arara Azul - Foto: Alessandro Andreoli

Uma para um lanche delicioso com pães de queijos de bocaiuva, bolos, chá gelado e suco de guavira. 

A outra parada para conhecermos os quartos que ficaríamos hospedados. 

Eu e meus companheiros de aventuras, o fotógrafo e videomaker Silas Ismael e o paulistano também fotógrafo Alessandro Andreoli, nos instalamos na Casa Caiman, mas no Refúgio eles ainda possuem mais acomodações como a Villa Baiazinha e Villa Cordilheira.  

Os cheiros, aromas e gostos, fazem parte dessa experiência, porque eles são únicos e exclusivos do lugar e nos acompanham sempre!

spinner-noticia

A confeiteira Patricia Lescano - Muitas especialidades com ingredientes locais - Foto: Alessandro Andreoli

As vivências inesquecíveis... Iniciativas para a preservação do Bioma.

Onçafari. Instituto Arara Azul...

O Onçafari teve início em agosto de 2011, quando o fundador e idealizador do Onçafari, o ex-piloto de fórmula 1, Mario Haberfeld, começou os trabalhos no Refúgio Ecológico Caiman (REC). 

O projeto foi criado para promover a conservação do meio ambiente e construir com o desenvolvimento socioeconômico das regiões em que está inserida por meio do ecoturismo e de estudos científicos. 

Eles trabalham pela preservação da biodiversidade em diversos biomas brasileiros, com ênfase em onças pintadas e lobos-guarás.

spinner-noticia

Avistamento de onça com o projeto Onçafari - Alessandro Andreoli

Este lindo projeto, nos permitiu durante uma semana conhecer esse trabalho incrível.

Fizemos vários avistamentos em dias e horários diferentes para conhecermos um pouco dessa grande família de felinos que nos hipnotizam assim que sabemos por rádio andando no meio do mato estilo safári com nossos guias aonde estão, na verdade a gente ainda nem avistou e já nos emocionamos. 

Essa preservação começou com a onça Esperança lá em 2011 que durante todo esse tempo manteve a perpetuação de sua espécie. 

O B+ conheceu a Ferinha, o Tupã, a Turi e o Magrão, e não tenho palavras para expressar tamanha beleza e perfeição desses animais. 

A onça Ferinha tem sido vista atualmente com seu filhote, neto da Fera, onças especiais e que foram reintroduzidas na natureza pelo projeto.  

spinner-noticia

Tupã - Onçafari - Foto Alessandro Andreoli

AnteriorPróxima

Esses animais são adaptados a natureza e os avistamentos são cercados de cuidados porque não podemos chegar perto dos animais ou descer do carro, eles são selvagens e não podemos invadir o espaço deles... É um respeito mútuo, admirável...

Outro momento que nos encantou e seduziu...

O encontro com o trabalho do Instituto Arara Azul, que envolve pesquisa, manejo e conservação da espécie. Um trabalho de campo árduo e diário, mas que vendo tantos resultados positivos faz querer seguir em frente todos os dias. 

Ele foi criado em 03 de setembro de 2003. 

O Instituto é uma sociedade civil de direito privado, para fins não econômicos, com autonomia administrativa e financeira, com sede e foro na cidade de Campo Grande, MS, com prazo de duração indeterminado e abrangência nacional.

spinner-noticia

Projeto Arara Azul - Foto Silas Ismael

AnteriorPróxima

Tantos prêmios recebidos e menções honrosas merecedoras...  

A gente vê isso quando acompanha os biólogos na manutenção do trabalho no meio do Pantanal, nele, amor e dedicação que nasceu com a bióloga Neiva Guedes lá em 1990. 

Ela é inspiração, referência e excelência no trabalho que desenvolve, a tivemos o privilégio de presenciar tudo isso...

spinner-noticia

Projeto Arara Azul - Foto Alessandro Andreoli

No Pantanal pedimos permissão para entrar na casa de tantas espécies de fauna e flora. 

No passeio de canoa, jacarés, pássaros e o pôr do sol que nos faz chorar, não acreditamos na força da natureza. 

No passeio a cavalo, continuamos com essa mesma sensação, nos anestesiamos com tamanho cuidado e carinho que o Refúgio faz questão de nos explicar não só com palavras, mas com atitudes...

spinner-noticia

Pôr do Sol no passeio de canoa - Arquivo pessoal

AnteriorPróxima

Acordamos e dormimos sendo presenteados todos os dias.

Em todas as experiências que vivemos, o cuidado com todos que visitam a região.

A cada saída muita água para hidratar, repelente, óculos para proteção dos olhos e lanches nas paradas que realizamos para contemplações e explicações sempre importantes. 

Uma verdadeira aula no meio do Pantanal.

No Refúgio também conhecemos a agrofloresta, mais um trabalho que está sendo realizado por lá, assim como a meliponicultura, a criação de abelhas nativas do Brasil. 

São abelhas que já existiam no país antes que a Apis fosse introduzida, e tem como característica a presença de um ferrão atrofiado, o qual elas não utilizam para sua defesa, realizado por Camila Klabin. 

Neste dia, fomos recebidos por biólogos e também por um suco de erva cidreira geladinho e frutas frescas colhidas do pé, tudo fruto de todo esse trabalho.

spinner-noticia

Visita a Agro Floresta - Foto Alessandro Andreoli

Outro destaque de nossa experiência foi a gastronomia impecável do lugar.

Do café da manhã ao jantar, o destaque para as mãos do chef Felipe Feiteiro e da confeiteira Patricia Lescano juntamente com suas equipes. 

A maioria dos insumos vem da agrofloresta também. Sucos, pães, doces e pratos inesquecíveis como o suco de guavira, a salada de umbigo de bananeira e o cural de bocaiuva.  

Esse refúgio ecológico pode receber famílias, crianças, casais e quem quiser comtemplar momentos inesquecíveis no Pantanal do MS. No refúgio, o contato com a vida selvagem com consciência ambiental, e isso é de fato muito importante. 

spinner-noticia

Caiman Pantanal - Foto Alessandro Andreoli

AnteriorPróxima

A Caiman tem raízes pantaneiras e também, já foi fazenda de criação de gado, e atualmente, a estância desenvolve a pecuária extensiva de gado de corte, integrada à natureza em campos de pastagem naturais e artificiais.

Antes de irmos embora, um típico churrasco pantaneiro, com música ao vivo e uma mesa linda decorada com delícias locais. Eu até arrisquei um arrasta pé com o Silas Ismael, como não? Tudo feito com carinho, cuidado e um sorriso no rosto para nos recepcionar. A sensação é de estarmos em casa. É acolhedor!

A nossa experiência será para sempre inesquecível. Não serão somente fotos e vídeos, mas sim o aprendizado, o respeito, as emoções e sensações que vivemos durantes tantos dias. 

Fica impresso na gente e tudo muda, não dá para explicar...

É uma relação que jamais terminará... A gente voltou e o Pantanal veio junto...

E estamos ansiosos, aguardamos o próximo Destino B+... Até a próxima!