Pecuarista é multado em R$ 330 mil por maus-tratos e morte de gado por falta de alimento em MS

Parte do gado estava muito debilitada e outros animais já estavam mortos

Fernanda Feliciano| 19/05/2022- 13:31

Alguns animais foram encontrados debilitados e outros já estavam mortos. (Fotos: PMA / Divulgação)
A PMA (Polícia Militar Ambiental) de Mundo Novo, multou um pecuarista, de 49 anos, em R$ 330 mil por maus-tratos a 285 cabeças de gado, que eram deixadas sem alimento e pastagem no município de Iguatemi, a 412 quilômetros de Campo Grande, na última quinta-feira (19). Os animais foram encontrados de forma debilitada com partes ósseas à mostra, 65 deles estavam mortos devido à desnutrição e 11 estavam caídos e sem condições de levantar.
Segundo a PMA, a pastagem foi encontrada totalmente degradada somente com terra e sem grama, impossibilitando o gado de comer. Em uma tentativa de amenizar o problema, o proprietário rural abriu uma vegetação de área protegida para o animal comer, no entanto, tudo foi consumido rapidamente.
O gado vivo foi apreendido e foi mantido contato com a Iagro ( gência Sanitária Animal e Vegetal). Os policiais notificaram o proprietário a remover o gado da reserva legal e promover alimentação suplementar para os animais, sob pena de responder por crime de desobediência e ser multado novamente.
VideoCapture 20220519 112516 1Foto: Reprodução/PMA
VideoCapture 20220519 112440 1Foto: Reprodução/PMA
VideoCapture 20220519 112448 1Foto: Reprodução/PMA
Mais infrações
Além dos maus-tratos aos animais, a PMA verificou erosões na propriedade rural, causadas pela falta de atividades pela conservação do solo. A propriedade tem ravinas e voçorocas de diferentes dimensões. Somado a isso, os sedimentos das erosões eram carreados para um curso d'água próximo.
Sobre esta infração, o proprietário foi notificado a apresentar um Prada (Plano de Recuperação da Área Degradada e Alterada) junto ao órgão ambiental estadual.
As atividades foram interditadas e o pecuarista foi multado em R$ 285 mil por maus-tratos aos gados, R$ 25 mil pela vegetação da reserva legal degradada e R$ 20 mil pelas erosões, totalizando R$ 330 mil. O infrator também deverá responder pelos crimes ambientais, no caso dos maus-tratos e a degradação da reserva legal, a pena é de três a um ano para cada um e, pela erosão, a pena é de um a quatro anos de reclusão.