Hotéis de Campo Grande e consumidor que ficou 168 horas sem energia vão à Justiça contra a Energisa

Em dois casos a falta de energia interferiu no abastecimento de água por depender de bomba elétrica
25/10/2021 16:38 - Ana Clara Santos


Desde o temporal do último dia 15, diversas casas e comércios foram severamente atingidos pela falta de energia, que atingiu grande parte de Campo Grande. 

Porém, nem todos tiveram o abastecimento restabelecido imediatamente e precisaram recorrer à justiça para que o serviço fosse normalizado, depois de terem diversos prejuízos, especialmente materiais, uma vez que casas e estabelecimentos precisam de energia elétrica para funcionarem adequadamente. 

Um dos estabelecimentos que passaram por transtornos por conta da interrupção do abastecimento de energia foi o Eco Park Club que, segundo consta nos autos do processo judicial, estava com o serviço instável desde quarta-feira (13) e não conseguiu contactar a concessionária apesar das diversas tentativas de ligação. 

Ainda segundo a defesa, o local ficou totalmente prejudicado porque as atividades só podem ser realizadas se tiver energia, uma vez que essa falta também interfere no abastecimento de água, bombeada do poço para caixa d’água por uma bomba elétrica. 

- Foto: Álvaro Rezende (Banco de dados Correio do Estado)
 
Os representantes do hotel ainda alegam ter passado por situações embaraçosas, já que sediariam dois grandes eventos: um de uma escola e outro de um instituto nacional. Além disso, a falta do serviço fez com que os hóspedes fossem embora e os empregados que moram no lugar ficassem com suas casas às escuras por um longo período. 
 
A falta de água em decorrência da falta de energia também afetou Milton Gasparin, que mora no bairro Parque do Lageado, região periférica de Campo Grande. Ele alega que ficou sete dias com o serviço indisponível, desde o dia 15 de outubro. 
Ele ainda conta que nas casas ao redor o serviço já tinha sido normalizado, menos na sua residência. Foi mais de 168 horas sem energia, sendo que, igualmente ao Eco Park, isso afetou o serviço de água já que ela depende de uma bomba elétrica para chegar até a casa. 
 
Em outro ponto da cidade, o Hotel Grande Anel, situado no Anel Rodoviário de Campo Grande, também só teve o serviço regularizado quando ajuizou uma ação contra a Energisa. Nos autos, o advogado do Hotel alega que o prejuízo foi causado por não ser possível, pela falta de energia, acomodar hóspedes. 
Além disso, o letreiro luminoso fica aceso a noite toda servindo de referência para quem passa pelo Anel Rodoviário e também serve de chamariz para caminhoneiros que chegam na cidade e precisam pernoitar. 
Nos três locais a energia já foi restabelecida diante da ordem de mandar fazer concedida pela justiça de Campo Grande. 
 
Últimas notícias
O outro lado 
De acordo com a Energisa, nos últimos 10 dias, ela colocou em prática seu Plano de Contingência para mitigar os impactos causados na rede elétrica depois dos três temporais que atingiram o estado. Além disso, a quantidade de equipes para fazer os atendimentos aumentou em 10 vezes.
Na manhã desta segunda-feira (25) foram enviados reforços para os municípios de Nova Andradina e Naviraí. 
 
 
De acordo com dados levantados pelas equipes da concessionária, foram encontrados mais de 600 postes caídos e 166 transformadores queimados pelos raios.  
O fornecimento de energia foi prejudicado por conta de quedas de árvores, rajadas de ventos e elevado número de raios, além de quedas de poste e rompimento de cabos, danos mais complexos de serem solucionados. 
 
A Energisa ainda esclareceu que o atendimento segue uma ordem de prioridade, analisando as situações que colocam a segurança da comunidade em risco, bem como aos hospitais e unidades de saúde, com apoio na logística para abastecimento dos geradores.
 
Serviço
A Energisa orienta os consumidores a priorizarem o atendimento pelo WhatsApp (Gisa): (67) 9 9980-0698 e aplicativo Energisa On (disponível no Google Play ou App Store do celular).