China proíbe cultos e reuniões online de igrejas em nova lei

Apenas algumas denominações estão autorizadas e, mesmo assim, sob monitoramento das autoridades

Gabriel Maymone Publicado em 03/03/2022, às 18h49

Portas Abertas

Nova lei entra em vigor na China para proibir cultos e reuniões online de igrejas cristãs no país em mais uma medida para conter a fé cristã no país. A informação é da organização Portas Abertas e foi divulgada pelo site PlenoNews.

Conforme a denúncia, o acesso à internet no país oriental só será permitido aos chineses que se definem entre as cinco religiões autorizadas. A igreja Católica e outras três religiões consideradas protestantes estão na lista.

Porém, as denominações serão monitoradas pelas autoridades chinesas, para garantir que esteja tudo alinhado com o governo.

"Já observamos que em nossa área, as reuniões online com um grande número de participantes desapareceram. Até agora, conseguimos realizar pequenas reuniões online, com alguns membros da igreja participando de cada vez. Continuaremos nossas reuniões online, onde houver espaço. vamos dar um jeito", afirmou uma fonte do Portas Abertas.

Quem descumprir a lei, será punido com advertências administrativas. Isso porque o partido comunista chinês - e único autorizado oficialmente na China - vê a religião como uma ameaça em potencial.