VÍDEO: família tenta achar motorista que fugiu após atropelar e deixar motociclista em estado grave

Motociclista precisou passar por uma cirurgia delicada no cérebro

Wendy Tonhati| 14/05/2022- 11:00


Condutor do carro fugiu sem prestar socorro e o motociclista ficou jogado no chão - Foto: Reprodução
A família do garçom Robson Elias de Figueiredo, 38 anos, tenta localizar o condutor de um carro de passeio preto, que o atropelou e deixou em estado grave, em um acidente na madrugada de domingo (8) para segunda-feira (9), no cruzamento das ruas Conde de Boa Vista e Cabo Verde, no Jardim Tijuca, em Campo Grande.
Conforme os familiares de Robson, o condutor do carro fugiu sem prestar socorro. O motociclista ficou jogado no chão e foi socorrido após pessoas que passavam pelo local acionaram o socorro. Pelas imagens, a família não conseguiu identificar o modelo e a marca do veículo, apenas a cor preta. 
esposa de Robson, Tatiane Lopes Rodrigues, conta que ainda não conseguiu fazer o boletim de ocorrência, pois foi informada que precisaria ser feito pelo próprio motociclista. 
“Fui na delegacia e me disseram que eu não podia fazer a denúncia, que tem que ser o meu marido. Eu disse à funcionária que ele está na Santa Casa sedado e ela disse que tem que esperar ele melhorar e quando ele tiver alta é pra ele ir lá e fazer o boletim de ocorrência”, explica Tatiane. 
De acordo com boletim médico da Santa Casa, Robson está internado em estado grave no CTI (Centro de Terapia Intensiva). O paciente teve trauma intracraniano grave e precisou passar por uma cirurgia delicada no cérebro. Ele respira por ventilador mecânico. 
“Ele se encontra em coma induzido, respirando por aparelhos. Ontem (13), tentaram tirar os tubos, mas sem sucesso. Fizeram uma cirurgia na cabeça para retirar o coágulo e o cérebro está inchado ainda. E está correndo risco de vida. Foi totalmente desumano não prestar socorro. Sabemos que o motorista estava errado, mas deixar meu marido para morrer, foi muito desumano. Já me informei certinho onde eu devo ir pra registrar o boletim de ocorrência”, diz a esposa.
Segundo Tatiane, Robson trabalha em dois empregos, fazendo freelancer durante o dia e fixo de garçom à noite. Ele e Tatiane são pais de uma menina de apenas três meses e ele também tem um filho de 16 anos.