Vacinômetro em MS: quatro cidades ainda estão com vacinação abaixo dos 70% em dose 1

Por outro lado, outros oito municípios já ultrapassaram 100% da vacinação da primeira dose

Mariane Chianezi Publicado em 14/03/2022, às 18h26

Henrique Arakaki, Midiamax/de arquivo

Mato Grosso do Sul caminha para as 5,5 milhões de doses aplicadas de vacina contra a Covid em pouco mais de um ano de vacinação— e 74,8% da população totalmente imunizada. O avanço da imunização da população tem possibilitado a flexibilização de medidas restritivas, como a desobrigação das máscaras. 

Apesar da D1 dos imunizantes estar aberta para praticamente todas as pessoas, ainda há cidades que o andamento das aplicações segue em ritmo lento. Quatro cidades em MS ainda estão com cobertura vacinal abaixo dos 70%. As cidades são: Maracaju (68,5%), Sonora (66,4%), Sidrolândia (63,6%) e Itaporã (62,1%).

Por outro lado, há sete cidades em que a campanha de vacinação tem sido um sucesso. Com mais de 100% da cobertura vacinal da D1 para o público geral estão os municípios: Antônio João (101,6%), Chapadão do Sul (102,9%), Costa Rica (108,6%), Inocência (101,1%), Novo Horizonte do Sul (114%), Rio Negro (101%), Selvíria (105%) e Vicentina (101%).

A reportagem acionou a SES (Secretaria Estadual de Saúde) questionando se Estado está monitorando o desempenho de vacinação e qual a justificativa das secretarias municipais. Confira a nota na íntegra:

"A Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso do Sul informa que tem feito o monitoramento e acompanhado diariamente o desempenho vacinal de todos os municípios. A SES/MS esclarece que tem solicitado aos municípios para que intensifiquem a vacinação na população de 5 a 11 anos e nos idosos a partir de 60 anos. Para este último grupo, a SES/MS recomenda que os idosos tomem as doses de reforço e complete o esquema vacinal. A SES/MS ressalta que Mato Grosso do Sul já atingiu a meta de 90% da população vacinável, sendo os dados consolidados no Vacinômetro MS, com 93,86% com a primeira dose e 80,82% com segunda dose. É importante ressaltar que o Ministério da Saúde autorizou em todo o território nacional a possibilidade da vacinação em trânsito, ou seja, um percentual da população faltante pode ter completado o esquema vacinal em outro município, sendo este, computando os dados de vacinação em seu território. A SES reforça para que os municípios continuem com ações de busca ativa em todos os grupos aptos para a vacinação contra a Covid-19".

Um ano de vacinação em MS

No dia 18 de janeiro de 2021, por volta das 15h10, o avião da FAB (Força Aérea Brasileira) pousava em Campo Grande trazendo esperança aos sul-mato-grossenses. Com 158.766 doses da Coronavac a bordo, começava ali o capítulo mais esperado da pandemia: o início da imunização contra o vírus que cruelmente tirava a vida de centenas de moradores.

O boletim epidemiológico de MS daquela segunda-feira, 18 de janeiro, registrava 2.686 óbitos da doença e de maneira emergencial, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), liberava a vacina do laboratório Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan, para iniciar a campanha de imunização. Assim que as doses desembarcaram em Campo Grande, a SES (Secretaria de Estado de Saúde) iniciou de imediato a distribuição aos municípios. 

No mesmo dia, as primeiras doses foram aplicadas no HRMS (Hospital Regional de Mato Grosso do Sul). Os primeiros a receberem a sonhada 'furadinha' no braço foram profissionais da saúde, uma idosa institucionalizada em asilo e uma senhora indígena: o médico Marcio Estevão Midom, de 44 anos; a indígena terena Domingas da Silva, de 91 anos; Maria Bezerra de Carvalho, de 84 anos, que vive no Asilo São João Bosco; e a auxiliar de enfermagem Sandra Maria de Lima.