Sem nova compra de CoronaVac, vacinação de crianças de 3 e 4 anos ainda não ocorre em todo o Brasil

Por g1

 


Dose da vacina CoronaVac  — Foto: Carla Cleto/Sesau

Dose da vacina CoronaVac — Foto: Carla Cleto/Sesau

Apesar de ter sido aprovada há 9 dias, a vacinação de crianças de 3 e 4 anos com a CoronaVac ainda não começou em todos os locais do Brasil.

No dia 13, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou a aplicação da vacina em crianças de 3 a 5 anos. Antes disso, as crianças de 5 anos só podiam receber a vacina da Pfizer; as de 3 e 4 não podiam ser imunizadas.

Segundo levantamento feito pelo g1, a vacinação das crianças nessas idades começou em todas as capitais exceto CuiabáMaceió e Teresina. Mas mesmo na capital paulista, que já começou a vacinar, o público está restrito a crianças com comorbidades, deficiência ou indígenas.

No estado de AlagoasAlagoas, nenhum município começou a vacinação; até a terça-feira (19), Mato Grosso aguardava novas doses para iniciar a vacinação. No Piauí, apenas alguns municípios já vacinam, como Água Branca e Parnaíba (veja mais detalhes da vacinação pelo Brasil abaixo).

Produção interrompida

 

Fabricada no Brasil pelo Instituto Butantan, ligado ao governo estadual de São Paulo, a CoronaVac dada às crianças tem a mesma dosagem dos adultos e é aplicada em duas doses. No dia 1º de julho, entretanto, o instituto anunciou que, "na ausência de novos pedidos de compra pelo Ministério da Saúde, a produção da vacina foi interrompida temporariamente".

Nesta semana, o governo paulista afirmou que vai importar 8 mil litros de insumo farmacêutico ativo (IFA) para fabricar as doses necessárias para vacinar as crianças de 3 e 4 anos. A previsão é de que as doses fiquem prontas já em agosto.

"Tomamos essa decisão hoje, antes mesmo da inclusão no PNI (Programa Nacional de Imunizações), para que a gente tenha vacina suficiente para vacinar as crianças de São Paulo e colocá-las à disposição do Ministério da Saúde para vacinar as crianças do Brasil", disse o governador de São Paulo, Rodrigo Garcia (PSDB).

Em nota enviada ao g1 nesta sexta-feira (22), o Butantan disse aguardar "a decisão do Ministério da Saúde para incorporar a CoronaVac ao Programa Nacional de Imunizações (PNI) para que possa, assim, ser distribuída em todos os estados e municípios".

g1 questionou o Ministério da Saúde sobre a compra, distribuição e aplicação da CoronaVac nas crianças, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem.

Estoques próprios

 

Enquanto novos lotes da vacina não são distribuídos, capitais, estados e municípios do interior têm usado estoques próprios para iniciar a vacinação.

Alguns locais começaram a vacinação de crianças de 4 anos, mas não de 3 – situação de Brasília, que aplica apenas doses que sobram (da "xepa") nas crianças mais novas. Outras incluem as de 4 anos e, entre as de 3, apenas as com deficiência ou comorbidades (como João Pessoa).

Em Pernambuco, Recife, Jaboatão dos GuararapesOlinda e Caruaru vacinam apenas as crianças de 4 anos.

Já no Pará, as quatro maiores cidades – BelémAnanindeuaSantarém e Marabá – já iniciaram a vacinação de crianças tanto de 4 como de 3 anos.

Instituto Butantan vai importar, da China, insumo para produção de Coronavac para crianças

Instituto Butantan vai importar, da China, insumo para produção de Coronavac para crianças