PMDB e amigos ficam aliviados com a soltura de André da prisão

Mesmo com desgaste de ser preso, ex-governador continua recebendo apoio mocci Mochi, atual presidente do PMDB, iria visitar ontem André, a quem trata de “nosso líder” - Foto: Valdenir Rezende/Correio do Estado/arquivo O PMDB e amigos sentiram-se aliviados com a liberdade do ex-governador André Puccinelli, 24 horas depois do estado de choque provocado pelo impacto da sua prisão pela Polícia Federal. Até os adversários políticos estavam anestesiados com a detenção do ex-governador. Não havia, portanto, motivos para comemoração. Mas o estrago estava feito. Agora dependerá do poder de recuperação de André para exercer na plenitude a sua atividade política. O seu amigo e grande aliado, deputado federal Carlos Marun não tem dúvida que o ex-governador “dará volta por cima” e continua, na sua avaliação, sendo o principal nome do PMDB para concorrer a sucessão estadual. Ele acha que André saiu como vítima dessa operação da Polícia Federal, que resultou em sua prisão. A mesma opinião tem o presidente regional do PMDB e da Assembleia Legislativa, deputado Junior Mochi. “André é o nosso principal líder político”, afirmou. E nessa linha de raciocínio segue o líder da bancada peemedebista na Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Rocha, que ainda tem André como principal nome para disputar ao governo do Estado. *A reportagem completa de Adilson Trindade e Izabela Jornada está na edição de hoje do Jornal Correio do Estado.