PARAGUAI – Dólar alto pode derrubar em 15% o movimento na fronteira

Black Friday nas lojas de Pedro Juan Caballero e Ponta Porã tem início hoje e vai até o domingo

Por JONES MÁRIO, enviado especial ao Paraguai
fronteira-blackfriday-go1
Promoção também será realizada nas lojas do lado brasileiro a partir desta quinta-feira - Foto: Gerson Oliveira/Correio do Estado
A disparada do dólar nas últimas semanas derrubou a expectativa de vendas para o Black Friday Fronteira, período promocional que começa hoje e vai até domingo, em Ponta Porã e Pedro Juan Caballero. As empresas participantes projetam movimentar 30 milhões de dólares – aproximadamente R$ 125 milhões –, o que representa uma queda de 15% no comparativo com o ano passado, quando o evento gerou R$ 147 milhões. A previsão da Câmara de Indústria, Comércio e Turismo de Pedro Juan Caballero e da Associação Comercial e Empresarial de Ponta Porã, responsáveis pelo Black Friday Fronteira, é de atrair 100 mil pessoas durante os quatro dias de promoção. Em 2017, 120 mil turistas passaram pela fronteira durante o período. Ontem, as casas de câmbio de Pedro Juan Caballero vendiam o dólar a R$ 4,29. Por outro lado, com a conversão praticada no comércio, o valor chega a R$ 4,35. No Brasil a moeda americana fechou em R$ 4,14. O período de eleições é apontado como principal motivo para desvalorização da moeda brasileira. O dólar voltou a fechar acima de R$ 4,00 após 30 meses na terceira semana de agosto, logo após a divulgação de pesquisas eleitorais. O presidente da Câmara de Indústria, Comércio e Turismo da cidade paraguaia, Alejandro Aranha, ainda torce para um desempenho pelo menos igual ao de 2017. “Estamos trabalhando para que as vendas pelo menos se igualem ao ano passado. Mas será difícil, e a desvalorização do real é o principal motivo. É um ano político, de eleição, que também influencia”. Em dias normais, a quantidade de pessoas que circulam pelo comércio da fronteira fica entre 5 mil e 8 mil. A projeção para o Black Friday este ano é de 25 mil compradores por dia. O presidente da Associação pontaporanense, Eduardo Gaúna, encara com mais otimismo e apela para que os turistas não percam o evento. “Os hotéis estão todos cheios. Nós mais que dobramos a quantidade de lojas participantes em Ponta Porã. No Paraguai, com certeza o dólar vai ser compensado. Vai ser como se estivesse a R$ 3,00”. De acordo com Alejandro Aranha, 70 lojas do lado paraguaio aderiram ao período promocional. O Shopping China, maior estabelecimento de importados do mundo, participa com aproximadamente 45 mil produtos e descontos de até 70%. Informações da Câmara de Indústria, Comércio e Turismo de Pedro Juan Caballero dão conta de que o gasto médio do turista em edições passadas do Black Friday foi de R$ 1,7mil por pessoa. ATRATIVOS Ainda segundo a entidade paraguaia, os produtos eletrônicos foram os mais procurados na edição passada, com participação de 20% do total comprado. De olho neste público, o gerente administrativo de uma loja do ramo, Paulo Siqueri, garante que o dólar alto não será um impeditivo aos turistas. “As pessoas vão se assustar com o câmbio, com certeza, mas quem entrar na loja vai sair satisfeito. Nós temos nossas estratégias para oferecer um bom preço”. O lojista espera que o movimento aumente 60%, mas não revela o que será feito para driblar a desvalorização do real. Já a proprietária de uma farmácia, Darci Remond, conta que renovou seu estoque comprando em grandes quantidades. A tática adotada permitiu colocar todos os produtos do local com 30% de desconto. “Só assim para derrubar o preço. Mas estou com o pensamento positivo. Acho que o movimento deve aumentar 70%”. Já no lado brasileiro, 48 empresas de Ponta Porã participam do Black Friday Fronteira. A gerente de vendas de uma loja de presentes e artigos diversos, Carmen Aguirre, espera pelo menos dobrar o fluxo de clientes durante os dias de promoção. “Nós já notamos que a movimentação aumentou antes mesmo de começar o Black Friday”. Ainda de acordo com a Câmara de Indústria, Comércio e Turismo de Pedro Juan Caballero, são esperados mais 30 mil veículos na fronteira durante os quatro dias de promoção. A entidade aponta que a maioria dos turistas aguardados têm entre 31 e 40 anos (25,07%) e vem de cidades próximas, como Amambai, Antônio João, Dourados e Campo Grande. A organização também aguarda visitantes de Mato Grosso, Goiás, São Paulo, Paraná e Rio de Janeiro, além de municípios paraguaios vizinhos.