Número de mortos por terremoto no Haiti passa de 1.200

Mais de 2.800 pessoas estão feridas e quase 3 mil construções foram destruídas; situação é pior no sul do país, onde mais de 500 morreram. Primeiro-ministro decretou estado de emergência por 30 dias e novo tremor foi registrado neste domingo.

Por G1

15/08/2021 19h39  Atualizado há 11 horas

Pessoas caminham entre escombros de casas destruídas pelo terremoto em Les Cayes, no Haiti — Foto: Jose Flecher/cortesia via Reutershttps://d5b0eaf9f7288c40a64325476720c3e3.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Subiu para 1.297 o número de mortes após o forte terremoto de sábado no Haiti, segundo atualização das autoridades feita na noite deste domingo (15). O número de feridos passa de 2.800.

Segundo o chefe da agência de proteção civil, Jerry Chandler, a situação é mais grave no sul do país, onde mais de 500 pessoas morreram.

O terremoto destruiu 2.868 edificações e danificou 5.410, disseram ainda as autoridades. A situação deixou no limite os hospitais e os danos bloquearam estradas por onde são transportados suprimentos vitais para as vítimas.

Neste domingo, um novo terremoto de magnitude 5,9 foi notificado pelo o Centro Sismológico Europeu do Mediterrâneo (EMSC, na sigla em inglês). O tremor aconteceu a uma profundidade de 8 km (4,97 milhas), disse a EMSC.

Número de mortos em terremoto no Haiti passou de 700  — Foto: Joseph Odelyn/AP

Número de mortos em terremoto no Haiti passou de 700 — Foto: Joseph Odelyn/AP

Também neste domingo, máquinas pesadas, caminhões e retroescavadeiras trabalhavam para limpar os escombros na cidade de Les Cayes, perto do epicentro do terremoto de sábado, a cerca de 160 km da capital haitiana, Porto Príncipe.

As cidades de Cayes e Jérémie, no sudoeste da ilha, foram as mais atingidas.

VÍDEO: Os estragos do terremoto no Haiti
https://imasdk.googleapis.com/js/core/bridge3.474.0_pt_br.html#goog_34573412000:00/00:54

VÍDEO: Os estragos do terremoto no Haiti

O primeiro-ministro do Haiti, Ariel Henry, decretou estado de emergência por 30 dias. Henry lamentou as mortes e disse, em nota, que já mobilizou recursos do governo para dar apoio às vítimas.

"Meus sentimentos aos parentes das vítimas deste sismo que gerou tantas perdas de vidas humanas e materiais em vários departamentos [equivalente a estados] do país", escreveu Henry. "Faço um apelo ao espírito de solidariedade e compromisso de todos os haitianos, a fim de nos unirmos para enfrentar esta situação dramática que vivemos", seguiu o mandatário. "A união faz a força."

Crise política e humanitária

O terremoto atinge o Haiti em um momento de forte crise política, que é anterior até mesmo ao assassinato do presidente Jovenel Moïse, em julho deste ano.

Moïse dissolveu o Parlamento e governava por decreto havia mais de um ano, após o país não conseguir realizar eleições legislativas, e queria promover uma polêmica reforma constitucional.

VÍDEO: presidente do Haiti é assassinado em ataque em casa

https://imasdk.googleapis.com/js/core/bridge3.474.0_pt_br.html#goog_34573412300:00/00:40

VÍDEO: presidente do Haiti é assassinado em ataque em casa

Depois do assassinato do presidente por um grupo de mercenários, um governo interino assumiu o controle do país até a realização de novas eleições.

A nação mais pobre das Américas tem um longo histórico de ditaduras e golpes de Estado.

Haiti — Foto: Amanda Paes/G1

Haiti — Foto: Amanda Paes/G1

Nos últimos meses, o Haiti enfrentava também uma crescente crise humanitária, com escassez de alimentos e aumento nas taxas de violência.

O PIB per capita do país é de US$ 1,6 mil por ano (cerca de R$ 8,5 mil), e cerca de 60% da população vive com menos de US$ 2 por dia (pouco mais de R$ 10).

O Haiti tem 11,3 milhões de habitantes, faz fronteira com a República Dominicana na ilha Hispaniola, no Caribe, e tem um dos menores IDHs (Índice de Desenvolvimento Humano) do mundo: 0,51.

Moradores observam casas que desabaram com o terremoto em Les Cayes, no Haiti — Foto: Ralph Tedy Erol/Reuters

Moradores observam casas que desabaram com o terremoto em Les Cayes, no Haiti — Foto: Ralph Tedy Erol/Reuters