Neymar diz que “qualquer jogador gostaria de vestir a camisa do Real”, mas garante foco no PSG

Por GloboEsporte.com* — Paris, França

Ivan Raupp

Um Neymar como há muito tempo não se via. Aberto, disposto a falar sobre todos os assuntos. Sincero, sem respostas prontas. Talvez seja reflexo do amadurecimento de quem está prestes a completar 10 anos de carreira profissional. E foi exatamente para falar sobre essa marca que, antes de embarcar para o Brasil, ele recebeu o Esporte Espetacular em sua casa, em Paris, para uma entrevista exclusiva que durou duas horas.

Pela segunda vez ele se recupera de uma fratura no quinto metatarso do pé direito. O craque comentou as polêmicas, como a fama de cai-cai na Copa da Rússia. Falou sobre o passado no Barcelona, o presente no Paris Saint-Germain e o futuro.

Em meio às constantes especulações que o colocam como alvo do Real Madrid, o que ele pensa sobre a possibilidade de vestir a camisa merengue? E falou até sobre casamento. Sem retrancas.

Assista à reportagem completa exibida neste domingo

Assista à reportagem completa exibida neste domingo

A seguir, veja a entrevista por temas:

Vida extracampo atrapalha o desempenho?

Acho que não. Até acho engraçado as pessoas compararem a vida que levo fora de campo com a dentro do campo. Se eu acho que não atrapalha, não é me achando, ou sendo desumilde nem nada. Os meus números dentro de campo continuam muito bons. Então, o que posto fora é minha vida pessoal. Falei isso até nas Olimpíadas. Não sei se fui grosso ou fui sério demais quando falei. Falei: minha vida pessoal é minha vida pessoal. Vou continuar saindo, fazendo o que eu acho que devo fazer, porque sou eu, são minhas coisas.

Agora, dentro de campo vocês podem me cobrar. Vocês estão ali para falar do meu desempenho dentro de campo. Ali sim, vocês podem falar. Agora, fora, cuido eu. Quem tem o direito de, querendo ou não, dar pitaco na minha vida fora de campo são minha mãe, meu pai, meus amigos, eles sim. Falar "não faz isso, não faz aquilo". Aí eu vou analisar, porque a vida continua sendo minha. Mesmo minha mãe querendo que eu não faça algo, se eu quero fazer, eu vou fazer, porque a vida é minha, tenho 27 anos, isso e aquilo.

"Então, quando as pessoas falam que a vida do Neymar fora do campo atrapalha dentro... Não. Vocês estão completamente errados, não atrapalha em nada. É zero. Sou um cara que me cuido, sei o momento certo de sair"

Se eu quiser ir para alguma balada, eu vou, só que tenho que saber o que vou fazer no dia seguinte. Agora, se eu tiver um jogo no dia seguinte, é óbvio que não vou sair. É óbvio que vou ter que estar descansando para o meu desempenho ser bom. E o meu desempenho não é porque "ah, eles vão falar mal ou bem". Não, é porque eu quero ser bom, e é o que eu faço. Eu jogo futebol, amo fazer aquilo. Então, a todo momento que vou fazer aquilo, tenho que estar bem preparado. Acho muito engraçado quando as pessoas vêm dar pitaco na minha vida fora de campo, entendeu? Fico rindo à toa, óbvio que ligo muito pouco. Mas não concordo com o que falam.

Neymar, com a mãe Nadine, em entrevista a Glenda Kozlowski para o Esporte Espetacular — Foto: Ivan Raupp

Neymar, com a mãe Nadine, em entrevista a Glenda Kozlowski para o Esporte Espetacular — Foto: Ivan Raupp

Redes sociais

Minha mãe fica brava que eu tiro os comentários (nas fotos no Instagram). Agora só quem eu sigo, meus amigos. É que tinha muito comentário ali nada a ver, então... Nesses 10 anos mudaram muito as redes sociais. Ao mesmo tempo que te expõem, muitas pessoas podem falar com você, óbvio, mas também muitas pessoas passam ali para desejar ódio, mandar uma mensagem que te entristeça, e até hoje não entendo isso. A pessoa perde o tempo dela para chegar no Instagram de uma pessoa que ela não gosta para machucar ou ferir, não sei qual o pensamento dessa pessoa, graças a Deus. Isso tirei tudo, falei: só vou deixar meus amigos, porque aí eu consigo responder todo mundo que me manda mensagem. E assim segue.

Avaliação dos 10 anos de carreira

Eu vejo um cara muito realizado, muito orgulhoso por todos esses 10 anos que tive de carreira até agora. Realizei vários sonhos que sonhava. Outros eu alcancei até mais do que eu imaginava. Então, está sendo uma carreira que eu não imaginava que fosse assim, sabe? Me sinto orgulhoso, feliz, grato a Deus por isso, por me proporcionar tantas coisas maravilhosas. E é óbvio que errei muito. Vou errar ainda, até o final da minha carreira vou cometer meus erros. E o aprendizado sempre foi grande. Sempre tirei de todas as situações difíceis que eu já passei, tirei as melhores coisas. Enfrentei dificuldades que são complicadas na vida de um atleta. Seja ela derrota, sejam lesões. É igual agora. Estou passando por um momento difícil, óbvio, mas eu tiro forças disso. Porque eu quero voltar melhor, mais forte, então eu me vejo muito contente, feliz, orgulhoso. Sou agradecido à minha família, aos meus amigos, minha mãe, meu pai, minha irmã. São as pessoas importantes para mim.

Neymar durante sessão de fisioterapia com Rafael Martini em sua casa, em Paris — Foto: Ivan Raupp

Neymar durante sessão de fisioterapia com Rafael Martini em sua casa, em Paris — Foto: Ivan Raupp

O Gil (Cebola), o Jô (Joclécio), que são dois amigos que me acompanham desde o meu primeiro jogo. E hoje a gente já mora há um bom tempo junto. Eu fico mais com os dois do que até mesmo com a minha mãe ou meu pai, ou minha irmã. Então, eles são importantes também para mim, no meu dia a dia, na minha felicidade. O Rico (Ricardo Rosa, preparador físico) e o Rafa (Rafael Martini, fisioterapeuta) são meus profissionais, sou grato por eles cuidarem de mim fisicamente. Na vida de um atleta, você querendo ou não, se tiver uma amizade que não seja real, que não seja a correta, pode te levar para um caminho diferente. Então, nesse quesito eu dei sorte. E sou muito feliz quanto a tudo que vem acontecendo.

Precisa ser eleito melhor do mundo para ser considerado craque?

"Não, não, acho que não. No quesito craque, até gênios não ganharam a Bola de Ouro, né? Acho que não precisa ter o rótulo de Bola de Ouro para ser craque"

Acho que qualidade de futebol se analisa jogando, pelas suas participações, por tudo isso também. Você tem que analisar de duas formas. Além de ser uma cobrança, se estão te cobrando é porque você tem capacidade, porque te olham de uma maneira diferente, então eu prefiro levar por essa opção. Já que me cobram tanto, eles acham que eu tenho capacidade de um dia chegar a uma Bola de Ouro. Ao mesmo tempo fico feliz, é uma cobrança que eu levo para o lado bom, para o lado gostoso da coisa. Se cobram é porque eu estou bem (risos), fico muito feliz. E é algo que, se não acontecer, não vai ser o fim do mundo para mim, não vai apagar as coisas que já fiz na minha carreira, nem o que venha a fazer. É um prêmio importante para qualquer jogador de futebol, um prêmio que todo mundo sonha em vencer, óbvio, mas não é algo que tire o meu sono, não é algo que eu queira assim. Mais do que tudo, eu já falei, o que eu quero mais do que tudo é a Copa do Mundo. Esse, sim, é algo que eu sonho todos os dias.

Muita emoção ao falar do pai

(Chorando) É difícil falar do meu pai porque, ele falou, né, são só 10 anos de carreira, mas de vida são muitos, São 27. E desde a primeira vez que eu escolhi jogar bola, com 3 anos, ele sempre me acompanhou. Só não foi no primeiro dia da escolinha) porque foi minha mãe que me levou. Mas no meu primeiro jogo... Ele sempre esteve presente. Eu sou muito grato a ele, sabe? Por todos os conselhos. A gente brinca aqui em casa que ele é chato pra caramba, mas é um chato que vale a pena escutar. Em todos os sentidos. A gente fala que ele é muito chato, que ele entende de tudo. Que é mecânico, engenheiro, é médico às vezes. A gente fala: você é muito cabeça dura. Ele é o cara que tem que conversar bastante até, para entrar dentro daquela cabeça grande dele (risos). Mas o choro é de alegria, de orgulho. Não é porque ele é meu ídolo na vida, pela forma como ele conduz a nossa família, do que ele fez pela minha carreira, do que ele vem cuidando da minha carreira, porque eu tenho certeza de que se eu não tivesse meu pai na minha vida, não teria metade do que tenho hoje, do que construí.

"Então, é ruim, é triste ver o cara que meu pai se tornou ser criticado de uma forma injusta. Porque ninguém sabe o que a gente sofreu para estar aqui..."

... As noites que ele ficou sem dormir para resolver qualquer tipo de problema meu ou da minha família. Sou eternamente grato a ele. Hoje em dia é meu pai, mas é mais do que isso, é um amigo, um parceiro. É tanto para trabalho quanto para amizade. Temos muita intimidade, converso muito com ele. Sou completo. Deus me deu um pai especial, uma mãe especial, e para abençoar mais minha vida mandou minha irmã, que fechou o ciclo todinho.

O pé direito de Neymar, que o atormenta desde 2018 por conta das lesões — Foto: Ivan Raupp

O pé direito de Neymar, que o atormenta desde 2018 por conta das lesões — Foto: Ivan Raupp

Perseguido pela arbitragem?

Perseguido, não. Não sei se essa é a palavra correta, mas eu acho que minhas coisas são um pouco mais difíceis.

"Se é falta tenho, tem que ser falta mesmo, não pode ser meia falta... Se é pênalti, tem que ser muito pênalti, não pode ser pouco pênalti"

Acho que é mais uma coisa que você vai se acostumando. É... Uma coisa onde entra o “respira fundo e segue”. Não posso me estressar mais, já me estressei muito com isso, já perdi muita concentração por causa dessas coisas, por um zagueiro que te bate sem o juiz ver, por um juiz que te ameaça. Então, hoje em dia eu já desliguei, respira fundo e vai.

Declaração polêmica de Anthony Gonçalves (relembre aqui)

Eu não sei nem o nome dele para começar, isso não é falta de respeito nem nada. Meu futebol todo mundo sabe qual é, do drible, de encarar a marcação, de furar a defesa, de criar oportunidade para o meu time, de criar gol. Óbvio que ninguém gosta de apanhar, nenhum atacante gosta de ficar apanhando, de sofrer falta, e óbvio que nenhum defensor gosta de ficar sendo driblado. Só que entra aquilo que eu sempre falo. Não posso virar para o cara e falar assim: com licença, quero fazer o gol. Ele não vai deixar, tenho que driblá-lo de alguma forma. Só que aí entra a arrogância que existe no futebol dentro de campo, a “malandragem”. Pensam que é malandragem, mas não é. Te ameaçar, te encarar, xingar. Quando o cara faz a falta, fica te encarando, te xingando, ou fala isso ou aquilo. O que eu vou fazer? Vou discutir com o cara que é mais forte do que eu, vou brigar com ele? Óbvio que não! Não tem como. O que eu posso fazer? É driblar! Não estou falando que vou driblar o cara na sacanagem. Vou driblar o cara porque quero fazer o gol. Ele falou “da forma que ele joga, não pode reclamar quando apanha”. Qual a forma que eu jogo?

Driblar é proibido no futebol? Então, tem que começar a colocar na regra. O jogador que driblar toma o amarelo. Isso não é futebol. Isso não é o futebol que eu conheço. Agora, proteger mais a pessoa que agride, que fala essas coisas, do que o cara que tem essa essência do futebol, do que o cara que é o futebol... Você vai proteger um brutamontes daquele, que só sabe dar pancada? Você não pode fazer isso, vai acabar com o futebol. Não estou falando só de mim não, estou falando de outros dribladores também. Como o Kylian (Mbappé), é um que também apanha bastante na França. Você tem o Hazard, o Messi, são jogadores dribladores. Você vai deixar de proteger esses caras que fazem os torcedores irem ao estádio, as pessoas pararem nas casas, ligarem a TV, para assistir os caras jogarem? Do que o cara que fala essas besteiras após as partidas... Você não pode dar credibilidade a um cara desses. O cara começa a falar isso e você não pode concordar com o que ele fala. Tem que falar: amigão, você está errado, está errado! Mas é da cabeça de cada um, cabeça pequena, não tem que ficar discutindo com pessoas que pensam dessa forma. Então, o que eu gosto de ver no futebol é drible e gol, não gosto de ver pancada.

"Eu não quero me machucar, não vou para campo machucar ninguém. Se eu quero bater em alguém, mudo de profissão e vou para o UFC"

Lá eu saio na mão com todo mundo. Futebol é essência, é drible, jogadas bonitas. Mas é uma decepção, é triste. Quando eu fiquei sabendo que ele deu essa declaração após o jogo, é triste, é ruim.

Jogaria no Real Madrid?

O craque em ação contra o Real Madrid — Foto: Paul Hanna / Reuters

O craque em ação contra o Real Madrid — Foto: Paul Hanna / Reuters

Vontade de jogar no Real Madrid? O Real Madrid é um dos maiores clubes do mundo. Qualquer jogador que o Real Madrid viesse atrás se sentiria atraído de jogar ali. Hoje eu me sinto muito feliz aqui no Paris, eu estou muito bem aqui, é algo... Mas o futuro ninguém sabe.

"Pelo amor de Deus, não estou falando que vou jogar no Real Madrid, calma! Não estou falando isso! O Real Madrid é um clube muito grande, qualquer jogador com qualidade gostaria de vestir a camisa do Real Madrid"

Meu sonho que realizei e todo mundo sabe, meu objetivo era jogar no Barcelona. Meu sonho sempre foi esse, algo que falei desde pequenininho e consegui realizar. Eu estou realizado. Vida de jogador de futebol é muito rápida, as coisas acontecem em momentos inesperados, ninguém sabe o dia de amanhã. Hoje em dia eu estou muito feliz aqui, se eu falar de hoje, só tenho olhos para o Paris. Não me sinto atraído por mais ninguém, não quero sair do Paris, mas as coisas acontecem muito rápido. Daqui a três meses, ninguém sabe o que pode acontecer. Nem é questão de abrir mercado, é algo que o presidente vem falar com você, isso, aquilo, o jogador às vezes não tem saída. Por mais que ele queira permanecer no clube, ele tem que sair. Não estou falando no meu caso, óbvio, estou dando exemplos, no qual a vida do jogador é muito rápida, muito inesperada, as coisas acontecem em segundos. Mas óbvio que o Real Madrid é uma grande equipe, é uma das maiores do mundo, tenho um respeito muito grande. Mas hoje me vejo no Paris.

Mbappé e a "concorrência" sadia pelos prêmios

A relação que eu tenho com ele é a melhor possível, tanto dentro quanto fora. Eu chamo ele de “Golden Boy”, é um menino por quem eu tenho um carinho muito especial, que vai se tornar um dos melhores jogadores da história do futebol, e eu tento ajudá-lo da melhor maneira possível. Qualquer atitude que ele tenha no treino ou no jogo eu chego e converso com ele, ou ele vem falar comigo. É como se fosse irmão ali, além da gente se entender muito bem dentro do campo. Pela concorrência, não é isso que nos leva a vencer título, pensar em título individual, não é por causa disso. A gente não tem inveja um do outro. Quando ele faz um gol, ele quer me dar um passe, quando eu dou um passe, eu quero que ele faça um gol também. A gente tem essa parceria, como que eu tinha com o Leo também, quando eu cheguei a concorrer à Bola de Ouro com o Messi.

"Espero que a gente possa estar entre os três (finalistas de 2019 ao prêmio de melhor do mundo) sim. Estarmos eu e Kylian seria muito especial para nós"
Mbappé e Neymar: parceiros no PSG — Foto: Reuters

Mbappé e Neymar: parceiros no PSG — Foto: Reuters

Capa da Placar - Neymar se considera o melhor pós-Pelé? (relembre aqui)

Não. Eu não me acho, nem me coloco em numerações, nem em recordes. Acho que cada jogador tem a sua história, a sua importância para o Brasil, para o futebol. Não gosto de fazer comparações, falar quem foi melhor, quem foi pior. Eu acho que cada um tem seu jeito especial. O Brasil é um fruto de milhões de craques e muitos gênios. Eu tenho ídolos que considero gênios do futebol, considero ídolos da história do futebol. Óbvio que fico feliz de ter meu nome citado entre eles. Acho que cada um fez parte da sua geração, fez história na sua geração. Cada um merece o respeito por ter feito tudo o que fizeram.

Obrigação de vencer a Copa América?

Obrigado não, acho que obrigado não é. Óbvio que a pressão aumenta porque a gente está jogando em casa, porque também fizemos uma eliminatória excelente, temos uma grande chance. É um dos principais times a conquistar uma Copa América. Mas acho que nada é obrigado, estamos indo ali para vencer e seria incrível vencer no nosso país. É o nosso pensamento, o que a gente quer, o que eu quero, o que o torcedor quer, só que futebol é jogado. Temos que jogador futebol e se a gente não demonstrar toda a nossa qualidade, vai ficar difícil.

Neymar é o atual capitão da seleção brasileira — Foto: Reuters

Neymar é o atual capitão da seleção brasileira — Foto: Reuters

Pensou em casamento?

(A mãe de Neymar, em depoimento na frente do próprio, pede que Deus mande uma mulher maravilhosa para a vida dele. O craque ri: "Que pressão, hein!". E fala sobre o tema em seguida)

Pensei, pô. Sou recém-separado (da atriz Bruna Marquezine). Faz uns três meses e meio que terminei meu namoro. E óbvio que, enquanto estava namorando, pensava em casar. Brincava até com meus amigos, falava assim: "Ó, prepara o terno aí, que os padrinhos estão chegando". Só que agora, infelizmente não deu certo nosso relacionamento, terminamos, e agora vou dar um tempo, calma (risos). Dar um tempo para mim, aproveitar mais meu filho, não que eu não o aproveitasse, mas para viajar com meus amigos, minha família. Então, pegar um tempo com calma, dar uma relaxada, não vou pensar em relacionamento agora. No momento certo, quem sabe?

Esposa teria que abandonar tudo?

É difícil, mas dá para se adaptar. Não que ela largue tudo que ela faz também, não é o correto. Mas acho que vai adaptando. Fiquei praticamente seis anos namorando, e a gente se adaptava ali, nem por isso era ruim. É óbvio que a distância é chata, atrapalha, a saudade é grande, mas a gente ia se adaptando. Não via problema nisso também. Mas foi o que eu falei, agora é hora de pensar em mim, com calma, sem pensar em relacionamento neste momento. Estou bem, estou bem (risos).

Futuro pós-futebol

Eu sinceramente não quero nem pensar, nem imagino. Eu gosto de viver o agora. Eu sou muito do racional, do agora tem que fazer porque eu não quero me arrepender lá na frente. Um jogo, esse é o jogo, porque daqui a um tempo eu não sei se vou poder jogar de novo. Todo jogo para mim é especial, todo treino é especial, todos os dias são especiais. Então, procuro viver da melhor maneira possível. Sou muito autêntico, sou muito eu. Gosto de dar risada, sou um cara competitivo que odeia perder, jogo o que for, mas também sou um ser humano, além de ídolo...

"... Sou um ser humano que não tem sangue de barata, que respira fundo na maioria das vezes, que não aceita injustiça..."

... Que odeia falsidade, que é sincero o tempo todo, seja com meus amigos, com minha família, seja dentro de campo. Procuro estar sempre melhorando a cada dia e estar sempre feliz.

Neymar se abriu na entrevista para o Esporte Espetacular — Foto: Ivan Raupp

Neymar se abriu na entrevista para o Esporte Espetacular — Foto: Ivan Raupp

Veja mais da entrevista com Neymar:

* Entrevista conduzida por Glenda Koslowski, produção de Ivan Raupp, João Ramalho e Raphael De Angeli, com imagens de Flavian Charuel e Marcelo Bastos.