Multas para quem vender gás de cozinha mais caro pode chegar a R$ 15 mil

A partir de hoje, o custo do GLP passa a ser 5,58% mais barato para as distribuidoras

Por Karine Alencar | 09/04/2022 11:35

Gás de cozinha vendidos em Campo Grande (Foto: Henrique Kawaminami)
O Procon-MS (Superintendência Para Orientação e Defesa do Consumidor de Mato Grosso do Sul), começa a partir de amanhã (11) a fazer batidas em empresas que revendem o GLP (Gás Liquefeito de Petróleo). As multas para quem estiver comercializando o produto com o valor mais caro, podem variar de R$ 800 a R$ 15.000,00.

O alerta foi feito pelo novo superintendente do órgão, Rodrigo Bezerra Baz. Segundo ele, uma ordem de serviço será solicitada para que as equipes comecem a fiscalização, de modo a exigir os comprovantes de compras anteriores dos comerciantes.

 "Se a redução não for repassada aos consumidores, eles ainda poderão ser processados. Terão de apresentar notas de entrada e saída para qua as equipes vejam se o valor está de acordo. Geralmente esses estoques não são amplos então muita gente já realiza uma nova compra no fim de semana mesmo, e assim que comprar pelo valor inferior já devem regular os preços", explica.

Na sexta-feira (8), a Petrobras anunciou novo preço para o GLP (Gás Liquefeito de Petróleo). A partir de hoje, o custo será 5,58% mais barato. Sendo assim, o preço médio de venda do gás às distribuidoras sairá de R$4,48 para a casa dos R$ 4,23 por kg. Com isso, o valor equivalente será de R$ 54,94 pelo botijão de 13 kg, refletindo redução média de R$ 3,27 por 13 kg.

Segundo informações da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), desde o início do ano, o valor do GLP já acumulou alta de 10,9% ao ano. Isso porque subiu de R$ 102,4 em janeiro para R$ 113,63 na semana passada. - CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS