Mianmar se transforma em destino da moda na Ásia

DA EFE

Os centenários templos de Bagan e o exuberante lago Inle são alguns dos atrativos que estão transformando Mianmar no destino turístico da moda no Sudeste Asiático.

O número de estrangeiros que visitaram o país em 2012 aumentou mais de 30% e chegou a 1 milhão de pessoas. Para este ano, após medidas que facilitaram a entrada de turistas, o governo espera 1,8 milhão de turistas.

Passear pela extensa planície onde ficam os templos de Bagan, a maior concentração de pagodes -tipo de construção budista- do mundo, que datam dos séculos 11 e 12, ou atravessar o lago Inle em uma barca são algumas das experiências das quais se pode desfrutar nesta antiga colônia britânica.

Shutterstock
Pagodes em templos na cidade de Bagan, em Mianmar
Pagodes em templos na cidade de Bagan, em Mianmar

Consciente do potencial do setor turístico, o governo do país, em parceria com o Banco de Desenvolvimento da Ásia, anunciou em junho um plano para modernizar esta indústria, com um investimento de US$ 500 milhões em infraestrutura e hotelaria.

Após décadas de isolamento internacional devido ao autoritário regime imposto pelas distintas juntas militares que controlaram o país entre 1962 e 2011, as previsões mais otimistas calculam que Mianmar chegue a receber 7,5 milhões de turistas em 2020.

Isso permitiria o aumento da receita para US$ 10 bilhões, capital muito desejado para um dos Estados mais pobres do Sudeste Asiático.

A maioria dos turistas ainda procede de países próximos, como China e Tailândia, mas há também muito visitantes da Europa e da América.

Para uma parte da população, o turismo se transformou em fonte de recursos e em medida de segurança contra o retrocesso político.