Mato Grosso do Sul fatura mais de US$ 890 milhões em exportação de soja

O óleo de soja eleva exportações do Centro Oeste, e um dos principais fatores é a guerra na Ucrânia

KETLEN GOMES

21/04/2022 13:31

Mato Grosso do Sul registrou um elevado índice de exportação no 1º trimestre do ano. De acordo com pesquisa realizada pela Aliança Agropecuária, o estado faturou US$ 890.878.036 em exportação de soja. 

O índice foi puxado por fatores como a Guerra entre a Rússia e Ucrânia, que mexeu com o comércio exterior. A Índia, por exemplo, foi um país que buscou novos fornecedores para diminuir sua dependência do óleo de girassol ucraniano. Desde o último ano, o país indiano vinha buscando independência da Ucrânia, e também do óleo de Palma da Indonésia. 

O Centro Oeste registrou um aumento de mais de 212,40% na exportação de óleo de soja no primeiro trimestre de 2022. Em relação a soja, o aumento foi de 22,40%, de milho 1,41% e de carne bovina 36,11%, totalizando 20,05 mil toneladas, uma elevação de mais de 11,36% em relação ao ano passado. 

spinner-noticia

- Relatório Agroeconômico do Centro-Oeste

Em relação a Mato Grosso do Sul, o estado teve um volume de exportação do complexo de soja (soja em grão, farelo e óleo) de 1.672.634 toneladas, o que resultou em uma receita de US$ 890.878.036 milhões. O milho teve uma exportação de 241.328 toneladas, um total de US$ 54.341.568 milhões, o algodão teve 4.093 toneladas exportadas, gerando uma receita de US$ 8.110.770 milhões, e 80.175 toneladas de carne bovina foram exportadas, com uma receita de US$ 284.509.566 milhões. 

A produção das safras de 2020/21 e 2021/22 tiveram o mesmo valor para todos os produtos. De acordo com a pesquisa, o estado teve uma produção de 11.464.000 toneladas de soja, 120.200 toneladas de algodão, 9.340.000 toneladas de milho e 45.419.500 toneladas de cana-de-açúcar. 

A Aliança Agroeconômica é uma parceria técnica entre a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul), o Instituto para o Fortalecimento da Agropecuária de Goiás (Ifag) e o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea).