Incidência de SRAG parou de cair e pode voltar a crescer em 3 regiões de MS, aponta Fiocruz

Apenas uma região do Estado apresenta tendência de queda de casos

Gabriel Maymone Publicado em 26/08/2021, às 18h05

Casos de SRAG devem permanecer estáveis na maior parte de MS - Henrique Arakaki / Midiamax

Mato Grosso do Sul tem três regiões com estabilidade no número de casos de SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave), revela o último Boletim InfoGripe, divulgado nesta quinta-feira (26) pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz).

No entanto, pesquisadores avaliam que os números podem voltar a crescer. 

A incidência da síndrome é um parâmetro de monitoramento da pandemia de covid-19, uma vez que o SARS-CoV-2 é responsável por 96,6% dos casos virais de SRAG registrados desde 2020.

Conforme os dados analisados das últimas seis semanas, apenas a região de Corumbá tem probabilidade de ao menos 75% de sofrere queda no número de casos da doença. 

A publicação destaca, ainda, que a região de Campo Grande, Três Lagoas e Dourados apresentam tendência de estabilidade/oscilação. 

Já em relação aos municípios, os pesquisadores analisaram as capitais e destacaram que Campo Grande tem transmissão comunitária do Sars-Cov2 (covid) extremamente alta.