Federação diz que “fez milagre” no Morenão e espera laudos

Por JONES MÁRIO Local deve ser utilizado para as partidas em casa de Comercial, Operário, Novo e União/ABC - Foto: Álvaro Rezende / Correio do Estado As readequações necessárias para a liberação do Estádio Pedro Pedrossian, o Morenão, foram concluídas e a Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul (FFMS) aguarda a finalização dos laudos de vistoria para protocolar no Ministério Público Estadual (MPE). Os documentos devem ser recebidos e repassados pela entidade à promotoria responsável na segunda-feira (7). As informações são do presidente da FFMS, Francisco Cezário. Ele afirmou que a federação “fez milagre” para entregar os reparos no principal estádio de Campo Grande. Cezário não revelou quanto foi investido pela FFMS. A princípio, o combinado era de que os clubes de Campo Grande que mandam jogos no Morenão - Comercial, Operário, Novo e União/ABC - arcariam com as despesas. Porém, o mandatário não acredita que vai recuperar o valor. Segundo o vice-presidente do Operário, Nelson Antonio da Silva, que acompanha o processo para regularização do Morenão, a Polícia Militar concluiu sua vistoria na sexta-feira (4). O Corpo de Bombeiros já havia vistoriado o local no dia anterior. Os laudos técnicos de segurança; engenharia; prevenção e combate de incêndio; e de condições sanitárias e de higiene são exigências do Estatuto do Torcedor para liberação dos estádios. A entidade responsável pela organização do campeonato deve apresentá-los ao MPE. O único laudo do Morenão dentro da validade é o de engenharia, mas expira no próximo dia 16. O Campeonato Estadual está marcado para começar três dias depois. A Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) firmou parceria com a FFMS para realizar as readequações no Morenão. A entidade esportiva custeou os reparos, e, em contrapartida, a instituição de ensino vai reduzir o valor do aluguel do espaço. Coube à FFMS a instalação de guarda-corpo no entorno do estádio, adequação dos portões ao sistema de fuga antipânico e adequação da plataforma que dá acesso de veículos ao campo. A federação ainda é responsável pela pintura do gramado. Por sua vez, a universidade vai cobrar taxa de uso de R$ 600 por jogo para os Estaduais deste e do próximo ano. O valor é quase cinco vezes menor que a média paga pelos clubes em 2018, de R$ 2,9 mil, de acordo com os borderôs dos jogos.