Doador de sangue terá triagem clínica para zika e chikungunya

Banco de sangue deve perguntar por sintomas ou diagnóstico anterior.
Orientação, porém, não determina que sangue seja testado para doenças.

Do G1, em São Paulo

sangue_inca2

Candidatos a doar sangue passarão por triagem clínica para zika e chikungunya (Foto: Divulgação/ Inca)

Doadores de sangue passarão, a partir de agora, por triagem clínica para zika e chikungunya. Isso significa que os bancos de sangue deverão perguntar se o doador teve sintomas ou diagnóstico anterior de uma das doenças. A nova orientação, divulgada na noite desta segunda-feira (12), foi determinada em uma nota técnica assinada em conjunto pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e pelo Ministério da Saúde. A nota, porém, não determina que o sangue do doador seja testado para as doenças.

A recomendação se baseia no fato de que existem evidências de que o vírus da zika pode ser transmitido por transfusão de sangue, apesar de a principal forma de transmissão ser a picada do mosquito infectado. No caso da chikungunya, apesar de não existirem evidências de transmissão por transfusão, também não é possível determinar se o procedimento é seguro.

Segundo a nova orientação, os candidatos a doar sangue que foram diagnosticados clinica ou laboratorialmente com zika ou chikungunya não poderão doar por um período de 30 dias após a recuperação comleta.

Já aqueles que tiveram contato sexual com alguém diagnosticado com zika nos últimos 90 dias deverão esperar ao menos 30 dias após o último contato sexual para doarem sangue.

Os que são de regiões endêmicas para chikungunya ou que tenham visitado essas regiões também deverão aguardar 30 dias para doar sangue.

A nota acrescenta que os serviços de hemoterapia devem estar atentos aos sintomas das duas doenças e os doadores devem ser instruidos a, caso tenham sintomas das doenças até 14 dias após a transfusão, comuniquem o serviço.