‘Comoveu toda a equipe’, diz bombeiro após encontrar macaco carbonizado em incêndios em MS

Tenente diz que imagens fortes servem para conscientizar população sobre destruição do fogo

Gabriel Maymone Publicado em 24/08/2021, às 13h30

Tatus e macacos são os animais mais encontrados mortos pelas equipes - Bombeiros MS / Divulgação

Mais uma vez, os incêndios no Pantanal chocam o país pela capacidade de devastação da natureza. Nesta terça-feira (24), fotos de animais carbonizados ganharam as capas dos principais jornais do Brasil. O tenente Fernandes, que comandou a equipe que registrou um macaco carbonizado, comentou sobre a cena, que comoveu toda a equipe.

"Chocou bastante os bombeiros. Por mais que a gente tenha preparo, a situação ontem foi triste. É como se sentíssemos na pele. Imagina sua casa pegando fogo e seus animais de estimação morrendo, sem terem como fugir? Comoveu toda a equipe", disse.

Para simbolizar a tragédia que os incêndios representam para a fauna pantaneira, a equipe do sargento Algeu realizou, na manhã desta terça-feira, o enterro de um macaco encontrado carbonizado na região de Bela Vista — fronteira de MS com o Paraguai.

"Foi um ato de respeito à natureza, ao meio ambiente. Por isso tomamos essa decisão [de fazer o enterro]", explicou o tenente Fernandes, que é coordenador da ação dos bombeiros na região.

Veja o vídeo do combate aos incêndios e trecho do enterro simbólico do macaco:

O tenente conta que as cenas abalam o emocional dos militares. "No final do dia, quando a equipe retornou, nossa reunião foi, praticamente, voltada para essa situação", disse, detalhando que são vários animais mortos encontrados todos os dias. Além de macacos, as equipes já se depararam com tatus, lobinhos e até gado.

"Eles ficam desorientados com a fumaça e acabam morrendo asfixiados", explicou.

Conscientização

O objetivo com as imagens é mostrar para a população o poder de devastação que o fogo tem na natureza. A ideia é ser impactante mesmo, afirma o tenente. "Muitas vezes, as pessoas podem pensar que [as imagens] são fortes, mas servem para conscientizar. Elas vão refletir", ponderou o tenente.

Por fim, Fernandes faz um apelo para que a população evite práticas como limpeza de terrenos com fogo. "É um rastro de destruição muito grande. Não tem como provar que a causa é humana, mas a maioria dos incêndios são provocados. Quando nos deparamos com esse cenário de destruição, realmente, ficamos entristecidos. Por isso, mais do que nunca, a gente faz um apelo, evitem essa prática",  finalizou.

Alguns conseguem ser resgatados

Nem sempre o final é triste. Há casos em que os bombeiros conseguem salvar os animais das chamas. É o que aconteceu na manhã desta terça-feira em Corumbá. Uma cobra foi resgatada de área queimada e levada em segurança para outro local.

"Conseguimos fazer o resgate desse animal. É o Corpo de Bombeiros trabalhando e tirando os animais de áreas queimadas. Vamos soltar esse animal e devolver em local seguro", disse um bombeiro enquanto conduzia a cobra. Veja o vídeo abaixo:

MS em chamas

O Pantanal de Mato Grosso do Sul viu o número de incêndios florestais triplicar em uma semana. Conforme o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), enquanto no dia 17 de agosto eram 77 focos de fogo no bioma, nesta terça-feira (24) são 312.

Mais de 80% dos 386 focos de incêndio registrados nas últimas 24h em Mato Grosso do Sul estão no Pantanal. Somente Porto Murtinho e Corumbá concentram 283 focos de incêndio, sendo 176 e 107, respectivamente. Na sequência, aparece Aquidauana, com 29 focos.

Para se ter uma ideia do quanto a situação se agravou, há uma semana, MS tinha apenas 97 focos de incêndio ativos, com 47 em Porto Murtinho e 29 em Corumbá.

De acordo com a tenente-coronel Tatiane Dias de Oliveira Inoue, as condições não estão favoráveis. "A vegetação fica extremamente seca e propensa à propagação de incêndios", disse.


Cenário encontrado pelas equipes dos bombeiros é desolador - Foto: Divulgação / Assessoria do Corpo de Bombeiros