Campo Grande registra segunda maior inflação entre capitais e mais que o dobro do índice do país

Segundo o IBGE, em maio o grande responsável pela alta da inflação na capital sul-mato-grossense ainda foi o reflexo do aumento da energia elétrica em abril, a greve dos caminhoneiros não é citada.


Por Anderson Viegas, G1 MS

energia_eletrica

Energia eletrica foi o item que teve maior peso no índice da inflação em maio deste ano, segundo o IBGE (Foto: Reprodução/TV Morena)

Campo Grande teve em maio uma inflação de 1,02%, segundo o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), divulgado nesta sexta-feira (8), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foi o segundo maior índice entre as 16 capitais em que a entidade faz o levantamento, sendo superado apenas por Salvador, na Bahia, com 1,11% e mais que o dobro da taxa do Brasil, que ficou em 0,40%.

Segundo o IBGE, em maio o grande responsável pela alta da inflação na capital sul-mato-grossense ainda foi o reflexo do aumento da energia elétrica de 10,75%, aplicado no início do abril. Mesmo no mês subsequente, esse reajuste ainda teve um impacto significativo, que foi ampliado pela entrada em vigor a partir do dia 1º deste mês da bandeira tarifária amarela, o que adicionou a cobrança de R$ 1 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) de energia consumidos.

Com isso, o grupo Alimentação, em que está incluída a energia elétrica, foi o segmento que teve a maior inflação em Campo Grande no mês passado, de acordo com o instituto, 3,04%. Além dele, dos outros oito grupos, sete também contabilizaram aumento de preços no período: Saúde e Cuidados Pessoais, com 0,94%; Transportes, com 0,91%; Alimentação e Bebidas, com 0,81%; Vestuário, com 0,50%; Despesas Pessoais, com 0,41%; Artigos de Residência, com 0,17% e Comunicação, com 0,l3%.

O único segmento que teve os preços pesquisados na cidade e que registrou deflação, ou seja, redução de valores foi o de Educação, com 0,19%.

No material da divulgação do índice e nas tabelas e notas técnicas, o IBGE não aponta em momento algum reflexos da greve dos caminhoneiros, que ocorreu no fim de maio, no índice de inflação de Campo Grande e de outras capitais brasileiras.

No acumulado de cinco meses de 2018, Campo Grande tem uma inflação, conforme o IPCA do IBGE, de 1,71% e em 12 meses de 2,59%, a oitava maior entre as capitais brasileiras.