‘Brasil, colapso ambiental’: dados inéditos revelam como o fogo está destruindo os biomas brasileiros

Esta semana, o Painel de Cientistas da ONU para Mudanças Climáticas divulgou um relatório preocupante sobre o que fizemos com o nosso planeta e as consequências que já estamos enfrentando. Saiba como está a situação no Brasil na nova série do Fantástico.

Por Fantástico

15/08/2021 22h28  Atualizado há 8 horas


Dados inéditos revelam como o fogo está destruindo os biomas brasileiros

https://imasdk.googleapis.com/js/core/bridge3.474.0_pt_br.html#goog_95263091300:00/13:35

Dados inéditos revelam como o fogo está destruindo os biomas brasileiroshttps://1a70b57481abb108695a62c2cf913f9d.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Um alerta para a humanidade: esta semana, o Painel de Cientistas da ONU para Mudanças Climáticas divulgou um relatório preocupante sobre o que fizemos com o nosso planeta e as consequências que já estamos enfrentando.

Vamos viver essas consequências em escala ainda maior durante séculos, dizem os cientistas. Eles avaliaram 14 mil estudos e é evidente a responsabilidade das ações humanas no aquecimento do planeta.

Neste domingo (15), o Fantástico estreia uma série sobre a devastação do meio ambiente no Brasil. O que ainda pode ser feito? Como está o ar que a gente respira e a qualidade das águas?

No primeiro episódio, os repórteres Sônia Bridi e Paulo Zero mostram dados inéditos que revelam como o fogo está destruindo os biomas brasileiros.

Hoje, a concentração de CO2 no planeta é quase 50% maior do que há um século e meio. A temperatura média já subiu 1.1ºC - pode parecer pouco, mas é esse um grau a mais que intensifica furacões e faz grandes áreas do planeta serem consumidas pelo fogo, até nos lugares onde o solo deveria estar congelado.

Pela primeira vez, as projeções do clima detalham o que vai acontecer em cada região do planeta em cada cenário. No Brasil, as previsões são de queda da produção agropecuária e de aceleração do processo de desertificação da caatinga, por exemplo. A Amazônia é especialmente vulnerável e pode colapsar em um mundo quatro graus mais quente.