Ação contra o PCC mirou alvos em Campo Grande, três cidades do interior e mais 4 estados

Operação Comando Fechado foi deflagrada pelo Gaeco, Bope e Choque

A Operação Comando Fechado, deflagrada nesta quinta-feira (07) pelo Ministério Público Estadual por meio do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), com apoio do Batalhão de Choque da Polícia Militar e do Bope (Batalhão de Operações Especiais), buscou alvos do PCC (Primeiro Comando da Capital) em Campo Grande, em três cidades do interior e mais quatro estados. Ao todo, foram cumpridos 46 mandados de prisão e 16 de busca e apreensão, além da Capital, em Dourados, Três Lagoas e Aquidauana, bem como em Ribeirão Preto (SP), Porto Velho (RO), Morrinhos (GO) e Mossoró (RN). Segundo nota, o objetivo da ação foi desarticular a organização criminosa que atua dentro e fora dos presídios, arregimentando novos integrantes e cometendo crimes como roubos, tráfico de drogas e execuções. Alguns dos alvos, pela periculosidade e poder de comando, já estão recolhidos em presídios federais. A operação levou o nome de Comando Fechado pelo fato de o Gaeco ter identificado membros do PCC que têm posição de chefia dentro da organização, tais como “Gerais dos Estados” e “Chefes de Disciplina”. O Ministério Público segue com diligências e ainda não divulgou um balanço dos mandados. No entanto, conforme já noticiado, dois mandados foram cumpridos pela manhã, sendo um de prisão e outro de busca e apreensão.dois presos um de 32 anos e outro de 37 anos, foram levados para a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do Piratininga, na Capital. Em Dourados, quatro mandados foram cumpridos, sendo que uma pessoa foi presa flagrada com drogas. O alvo da operação na cidade não foi encontrado. Já na cidade de Ribeirão Preto, em São Paulo, um foragido foi recapturado. Ele havia sido preso em 2016, com 150 quilos de drogas, mas durante uma ‘saidinha’ não voltou. O preso, que não teve a identidade revelada, atuava para uma facção criminosa.